Goro, goro...


Meu bom amigo Alan Frick é um torcedor inveterado. Quando o time adversário tem a bola perto da área ele sempre fica falando alto, "goro, goro". Futebolista superticioso, diz que é pra "gorar" o oponente.

No caso de José Serra, Dilma realmente não está precisando recorrer aos artifícios da torcida. A combinação de ausência de discurso com erros primários em sequencia tem apontado para uma eleição perigosamente fácil.

Em plena ultrapassagem nas pesquisas de opinião, Serra ainda bate cabeça com uma crise pública sobre o seu vice. Vai ser obrigado a voltar atrás por causa da pressão do DEMO, reforçando sua ligação com a desgastada legenda, mesmo que o vice não venha desse agrupamento de picaretas.

Os pesquisadores estão nas ruas. O Vox Populi já confirmou os 40 x 35. Aposto que a diferença aumenta mais um tanto, sem a necessidade do goro, goro...

Atualização: o PSDB cedeu e o vice é Índio da Costa, deputado federal do DEM do Rio, que foi relator do Ficha Limpa. Álvaro Dias se foi. E o PSDB aparece na eleição ligadão ao DEM...

Um comentário:

Lanterna da Serra disse...

não se engane...
todo o dia pela manhã, ao ler o caderno Brasil, um leve e sincero "goro", escapa..
abs